Jovens da Ilhinha denunciam irregularidades no Estádio Beira Rio

Há pelo menos uma década, o Estádio Beira Rio, localizado no Residencial Ana Jansen, passa por inúmeras reformas.

Segundo placa oficial do ano de 2016, só naquele período foram investidos dos impostos 300 mil reais em melhorias. Entretanto o que se observa ainda em 2020, quatro anos depois, é uma obra inacabada e um equipamento público completamente deteriorado.

A gestão atual alega ser atuante e nova, entretanto, Lindomar que era o presidente na época do alto investimento, agora é o vice presidente do espaço, demonstrando uma possível tentativa de fingir uma renovacao de gestão.

Segundo moradores, a gestão do Estádio é outro problema, além de nunca serem francos e claros com relação as verbas destinadas ao local, também realizam eleições de maneiras obscuras haja vista a própria população nunca ter ouvido falar de qualquer movimento nesse sentido.

Preocupado com essa situação, Matheus Santos, vizinho ao campo, procurou o ativista social Ronaldo Serra, que também é morador da ilhinha, a fim de que uma solução fosse tomada.

Juntos e com o apoio do acadêmico de Direito Josenilson, os jovens mobilizaram a comunidade por meio das redes sociais e reuniram provas a fim de que tudo fosse levado a ouvidoria do Ministério Público do Maranhão.

Como em um passe de mágica, rapidamente surgiram máquinas da Prefeitura de São Luís no local que há muitos anos era para exisitir reforma, como maneira de enganar a população.

A situação chamou atenção dos que passavam e logo uma quantidade aproximada de 100 pessoas transitou pelo local reivindicando melhorias.

A fim de fortalecer a denúncia Ronaldo Serra tem organizado um abaixo assinado, o que tem colocado o jovem sob risco e na mira dos assessores do Presidente da Câmara o Vereador Osmar Filho.

Segundo audios encaminhados a este blog, Leandro, que é primo do Vereador Osmar e se auto declara assessor do parlamentar fala sobre Ronaldo em tom de ameaça e tenta utilizar a vida íntima do jovem como maneira de intimidá-lo.

“Em pleno ano 2020 repudiamos qualquer tipo de preconceito, podem falar qualquer coisa a meu respeito ou tentar me intimidar. Já estou acostumado pois não é a primeira que ocorre e cada vez mais perdem a vergonha, mas permancerei firme e forte ao lado da comunidade” – afirmou Ronaldo Serra ao site.

A população segue firme em busca de esclarecimentos e torce para que a Justiça ajude o povo sofrido da ilhinha a obter respostas.