Caxias celebra a arte em suas múltiplas formas em seis dias de programação

Espetáculos, exposições de artes, apresentações de dança, músicas, literatura e cortejos artísticos fazem parte da 5ª edição da Aldeia Sesc Balaiada de Artes. Com uma agenda cultural gratuita e aberta para o público de todas as idades, o evento acontece de 01 a 06 de novembro em Caxias. E nesta sexta-feira, marcando o primeiro dia do projeto, os caxienses terão a oportunidade de prestigiar o espetáculo “Meu Seridó” do Grupo Arca de Zoé (RN), na Praça Dom Marelim, às 19h30.

A Aldeia Sesc Balaiada traz em sua agenda o projeto nacional Palco Giratório, que contribui para o encontro entre públicos e artistas de diferentes regiões do Brasil. Em um passeio pelo sertão, o espetáculo “Meu Seridó” leva aos caxienses no dia 01º de novembro muita música, humor e reflexão sobre a relação do homem e o sertão. Em apenas uma hora, dez mil anos de uma rica história passarão pelos olhos do público, apresentando histórias do sertão do Rio Grande do Norte. 

O grupo também ministra a oficina “Quem conta um conto ponteia um canto” com exercícios de improvisação, possibilitando aos participantes vivenciar o processo de construção de cenas curtas através de três módulos. Ministrada no sábado (2), das 8h às 14h, podem se inscrever atores, músicos e bailarinos acima de 18 anos. Os interessados devem garantir sua vaga no Sesc Caxias, em horário comercial. Mais informações pelo (99)3521-3862.

Programação plural

Integrante da Rede Sesc de Intercâmbio e Difusão das Artes Cênicas, a Aldeia Sesc Balaiada de Artes oferece seis dias de agenda cultural diversificada e convida a todos para vivenciar a arte em suas múltiplas formas: intervenções, performances, exposições fotográficas, shows musicais, contações de história, oficinas de teatro, dança e circo, além de exibição de filmes.

O projeto visa fomentar a produção das artes cênicas da Região dos Cocais, através de apresentações diversificadas e gratuitas, em espaços distintos, oportunizando principalmente o desenvolvimento e transformação da cultura local. 

Por: Amanda Machado